Como criar estampas – O Guia Definitivo do Design de Superfícies


O número de pessoas que diariamente chegam até o Estampa Web em busca de informações sobre o mundo da estamparia é impressionante. Quem desconhece o mercado pode até achar isso curioso, porém não surpreende a nós da equipe pois temos ciência do quanto o mercado é amplo, está em expansão e movimenta milhões de Reais no país… daí a curiosidade das pessoas em entender como criar estampas.

Elaboramos este Guia Definitivo do Design de Superfícies – também chamado de Design de Estampas – que tem como pretensão ser o material mais completo sobre o assunto na Internet. Ele é uma espécie de índice permanentemente atualizado (inclusive você pode participar deixando sugestões logo abaixo nos comentários) que remete a diversos outros conteúdos e recursos do Estampa Web.

Portanto este artigo é para você que tem interesse em:

  • Aplicação do design de superfície em Moda;
  • Sublimação e foto produtos;
  • Serigrafia (silk screen);
  • Impressão digital direta;
  • Aplicações, bordados, transfers e termocolantes;
  • Criar uma marca de roupas, decoração, brindes, ou qualquer outro produto estampado;
  • Aprender a personalizar produtos diversos;
  • Design de estampas em softwares;
  • …ou ainda é só um curioso querendo saber mais sobre o mercado da estamparia.

Como criar estampas - O Guia Definitivo do Design de Superfícies

O artigo é dividido em etapas, cada uma focada em um ponto chave da criação de estampas. É recomendável ler todas as etapas na ordem que são apresentadas, a fim de compreender o processo do design de estampas como um todo. Vamos lá?

O objetivo da estampa

Independentemente da atividade que você deseja começar, é fundamental desde o início ter em mente onde você desejar chegar. E como o design de estampas não é diferente.

Definir um objetivo claro é o primeiro passo no processo de criação de uma estampa.

Esse objetivo guiará o processo como um todo, revelando toda a gama de técnicas que precisará dominar, os equipamentos e insumos que precisará ter, o custo, e principalmente as limitações que vai precisar enfrentar.

Pode acreditar: no Design de Estampas saber lidar com as limitações é o que divide os profissionais dos amadores. Ao longo deste artigo isso ficará cada vez mais claro para você.

Para definir um objetivo corretamente recomendamos sempre usar o seguinte modelo: (1) tipo de estampa + (2) produto a ser estampado + (3) para quem + (4) quantidade de peças + (5) técnica de estamparia.

  1. Tipo de estampa: vai ser uma estampa localizada ou corrida (pattern, rapport, contínua)?
  2. Produto a ser estampado: será uma blusa? ou uma caneca? um rolo de malha? quem sabe até uma cortina ou parede?
  3. Para quem: é para crianças? para pessoas que gostam de rock? ou para cães?
  4. Quantidade de peças: será somente uma unidade? ou dez? cem? ou milhares?
  5. Técnica de estamparia: sublimação? rotativa? serigrafia? impressão digital direta?

Todos esses 5 pontos-chave da criação de uma estampa estão amarrados entre si, e precisam ser corretamente definidos para evitar retrabalho.

Quer um exemplo? Então ai vai…

Criar uma estampa corrida para uma camiseta de algodão para bebê do sexo masculino. Serão fabricadas 100 unidades em impressão digital direta.

O objetivo da estampa

Ele sabe que precisará dominar a técnica do rapport (criação de padronagens) no software que ele pretende usar; conhece as características e dimensões (tamanho) do produto; já tem uma ideia de cores e elementos visuais que pode usar no projeto; sabe qual técnica pode ser usada para estampar; conhece as limitações da técnica (cores, fundos, toque, etc.).

Percebeu a importância de ter um objetivo bem definido em mente antes de começar? Ele deixa claro na mente do designer como criar a estampa! Sem essas informações mínimas você não deve nem começar a trabalhar.

E como bônus deste artigo, para te ajudar a não esquecer desses 5 pontos-chave do design de superfícies, criamos uma planilha (formato Excel) que você pode baixar e usar em seu dia-a-dia.

Planilha para designers definirem o objetivo da estampa - briefing
Planilha em formato .XLS (Excel) – Também pode ser aberta em Google Docs e OpenOffice.

Clique aqui para fazer o download da planilha “Objetivo da estampa”.

Com isso em mente é muito mais fácil partir para a próxima etapa do design de superfícies, que é a Pesquisa.

A Pesquisa pré-criação da estampa

Com seu objetivo claro definido, chegou a hora de “ir a campo” buscar inspiração.

Existem diversas formas de fazer isso, porém sem dúvidas a mais eficaz é o Benchmarking.

A ferramenta Benchmarking não é nada mais do que pesquisar o mercado em busca das melhores práticas. Não tem nada a ver com fazer algo ilegal tipo espionagem industrial ou infração de propriedade intelectual. É simplesmente pesquisar em dados públicos as melhores artes que estão sendo criadas atualmente e a partir disso se inspirar para criar suas próprias estampas com a ideia nova que você conceberá.

E onde fazer essas pesquisas? Existem diversas (feiras, revistas, catálogos, etc.) mas basicamente recomendamos 2 fontes: lojas físicas e internet.

  1. Você pode fazer sua pesquisa pré-criação da estampa visitando lojas que vendem produtos semelhantes ao que você está criando. Para não contar somente com a memória sugerimos fotografar discretamente as peças/produtos que achar interessantes com seu telefone.
  2. Ou mais fácil ainda pesquisar em sites de marcas e lojas que comercializam produtos afins ao que você está desenvolvendo – neste caso fica a sacada de ordenar a lista de produtos por “Mais Vendidos” quando a opção estiver disponível (assista esta aula aqui).

A Pesquisa pré-criação da estampa

Não deixe também de pesquisar em redes sociais, principalmente no Pinterest. Essa rede é um ótimo repositório de ideias, principalmente se você pesquisar por termos em inglês, o que aumenta muito o número e variedade de resultados.

O importante na pesquisa pré-criação da estampa é juntar um grande número de referências visuais para se inspirar durante a criação. Por esse motivo que é fundamental não esquecer de gravar as imagens que você for achando mais interessantes, pois depender somente da memória é uma péssima ideia.

Com todo material em mãos chegou a hora de colocar sua criatividade para funcionar, e desenvolver a ideia da estampa.

A ideia da estampa

Junte todo o material que você coletou durante a fase da pré-criação.

Olhe tudo novamente.

Agora pegue papel e caneta e faça seus próprios rabiscos – esse processo se chama brainstorming. Não precisa saber desenhar para fazer isso, pois são somente rabiscos mesmo, que ninguém mais verá fora você – portanto nada de vergonha.

rascunhando a ideia da estampa no brainstorming
O rascunho continua sendo uma poderosa ferramenta no brainstorming. Não parta diretamente para o computador, faça seus rabiscos!

O importante nesta fase não é a qualidade, e sim a quantidade de ideias (insights). Tente juntar elementos de diferentes artes que você gostou durante a pré-criação da estampa. Varie objetos. Pense em outros tamanhos, cores, alinhamentos, fontes, etc.

Rabisque o máximo que você puder, mas não deixe o processo passar muito de 30 minutos, pois depois disso as ideias começar a escassear muito tornando o brainstorming um verdadeiro sofrimento.

O segundo passo desta etapa é escolher os melhores rabiscos. Mas não faça isso imediatamente após o término do brainstorming. Primeiro vá fazer outra coisa – melhor até descansar. Esse tempo permitirá seu cérebro assimilar as informações.

Volte após algumas horas/dia e coloque no lixo tudo que não forem boas ideias. Fique somente com a “nata” – que podem ser no máximo 3 ideias – e parta para a criação da sua estampa.

A criação da estampa

Não que esta seja a etapa mais importante, pois todas são, mas é aqui que você precisa fazer e acontecer.

E para isso não basta ser bom nos softwares de design, é preciso ser Extraordinário… realmente profissional. Pois se você não dominar esses programas estará limitando suas criações ao teto de sua habilidade com as ferramentas.

A criação da estampa no software

Em outras palavras, não adianta ter ideias incríveis se não tiver “braço” para executá-las.

Os softwares que você vai precisar para criar suas estampas dependerá do estilo de arte que pretende projetar. Por exemplo:

Estampa criada somente com vetores

A arte acima pode ser criada facilmente em um software de ilustração vetorial como CorelDraw, Inkscape ou Illustrator.

Estampa desenvolvida no Photoshop

Já para criar a estampa acima é necessário lidar com algum editor de imagens como Photoshop, Photopaint ou Gimp.

Estampa continua feita em softwares de rapport

E estampas corridas como essa apresentada acima podem ser criadas com facilidade usando softwares específicos para criação de rapport e padronagens (estamparia contínua).

Quais são os melhores softwares para criar estampas? Existem divergências de opiniões quanto a isso, mas nós do Estampa Web ensinamos nossos alunos do curso profissional Design de Estampas o Illustrator e CorelDraw para ilustração vetorial, e o Photoshop para edição de imagens (bitmaps).

Essas 3 ferramentas combinadas possibilitam executar 100% das suas ideias de estampas.

E agora que você criou a arte? Qual o próximo passo antes dela virar uma estampa?

Apresentando e aprovando a estampa

Não saia estampando sua arte! Ainda não chegou essa hora! Você como designer de superfícies precisa seguir todas as etapas para reduzir ao máximo o risco da sua estampa fracassar.

  1. Se estiver criando a arte para outra empresa/pessoa, com certeza precisará apresentar a sua criação antes de finalizar a estampa;
  2. E se estiver criando para você mesmo – para sua própria marca – precisará de uma segunda opinião antes de colocar sua estampa no mercado.

Para você que se encaixa no primeiro caso – precisa apresentar para um cliente – disponibilizamos a seguir um trecho de uma aula do curso Grafers do professor Marco Lang onde o mesmo ensina técnicas rápidas e fáceis para conseguir aprovação por parte do cliente.

A principal técnica a ser observada é jamais dar mais de 3 opções da mesma estampa ao cliente, a fim de não confundi-lo.

E para você que se encaixa no segundo caso, ou seja, está criando uma estampa para sua própria marca, é fundamental apresentar sua criação a alguém do público alvo da estampa.

Lembra da etapa da elaboração do Objetivo da Estampa? Lá você definiu “para quem” é a estampa que está criando. Pegue esse alguém – ou até mais pessoas se tiver oportunidade – que representa esse público e mostre sua criação a ela(s).

No exemplo que citamos anteriormente o “para quem” era um bebê… óbvio que você não vai pedir opinião a um bebê (rs)! Você vai pedir um feedback da pessoa que vai comprar a camiseta para o bebê. Entendeu?

teoria da criação de estampas

Cada caso é um caso e exige sensibilidade por parte do designer de estampas.

Uma última dica que fica aqui é JAMAIS pedir feedback para pessoas com a opinião “viciada”, ou seja, pessoas que poderão ter medo ou vergonha de falar a verdade para você. Ex: mão, cônjuge, funcionário puxa-saco (rs), etc.

E não se assuste se sua estampa não for aprovada de primeira. É melhor “falhar” nesta etapa do que colocar uma estampa errada no mercado e perder sua credibilidade e dinheiro – ou o dinheiro do cliente.

Fechamento do arquivo da estampa

Depois que você tiver sua estampa 100% aprovada chega a hora de fechar o arquivo. É uma parte bem técnica que exige profissionalismo por parte do designer de superfícies.

Aqui é necessário prestar atenção em variáveis como:

  • Sistema de cores;
  • Dimensões;
  • Separação de cores;
  • Reticulação;
  • Encaixes;
  • Troca de arquivos, etc.

Fechamento do arquivo da estampa

Tudo isso vai depender – e variar – da técnica de estamparia que for adotada e do fornecedor. Por isso é tão importante ter definido seu objetivo corretamente, pois qualquer erro lá no começo começa a se tornar uma dor de cabeça nesta etapa do fechamento.

Na hora de fechar o arquivo da sua estampa para impressão não poderíamos recomendar nada melhor do que conversar com seu fornecedor.

Ele vai saber melhor do que ninguém se você precisa enviar o arquivo em PDF, JPG, CDR…Se vai querer em CMYK ou RGB… se é para separar as cores… etc.

Por exemplo no caso da serigrafia, existem impressores que preferem eles mesmos fazerem a separação de cores e reticulação, enquanto outros exigem a arte já finalizada. Ou no caso de estúdios de sublimação que trabalham com RGB ao invés de CMYK… e por ai vai.

finalizar o arquivo do design de superfícies

Muito cuidado com essa etapa crítica do fechamento da estampa. Qualquer erro aqui se tornará uma verdadeira tragédia. Por isso é fundamental revisar tudo mais uma vez antes de realmente estampar as peças.

Revisando sua estampa

A revisão é algo muito pessoal, e varia de designer para designer. Sugerimos sempre uma revisão em 2 etapas:

  1. Revisar o arquivo fechado. Por exemplo no caso da serigrafia testar os fotolitos, ou no caso da sublimação olhar bem a folha impressa antes de prensar.
  2. Revisar depois da primeira peça estampada. Isso evita que pequenos erros se tornem prejuízos gigantescos.

Revise elementos como:

  • Cores;
  • Encaixe;
  • Dimensões;
  • Fontes;
  • Ortografia;

revisando fotolito após a impressão

Conclusão

Se você seguir as etapas deste guia aumentará significativamente as chances de sucesso de suas estampas e reduzirá substancialmente o retrabalho em projetos de arte para estamparia, independentemente de estar criando para impressão digital, sublimação, serigrafia, rotativa ou qualquer outra técnica de estamparia.

É sempre importante seguir um método. Muitos designers e estilistas esquecem disso pelo próprio caráter criativo da profissão. Pensam erroneamente que métodos engessam a criatividade quando na verdade eles apoiam e alavancam ela.

Apesar deste artigo ser longo, na verdade a teoria por detrás dele é muito simples:

  1. Tenha claro na mente o objetivo da sua estampa;
  2. Faça uma pesquisa pré-criação consistente, que englobe o melhor do mercado;
  3. Elabore ideias criativas e com potencial comercial;
  4. Domine os softwares de design para transformar suas ideias em estampas;
  5. Mostre seu trabalho e melhore ele até que as pessoas quiserem compra-lo;
  6. Feche o arquivo da estampa em parceria com o impressor;
  7. Revise duplamente sua estampa.

Como mencionado no início do artigo, elaboramos este Guia Definitivo do Design de Superfícies como a pretensão ser o material mais completo sobre o assunto na Internet. Sabemos que ele ainda tem muito a melhorar, inclusive contamos com a sua ajuda para isso.

Se tiver algo a acrescentar deixe nos comentários abaixo que teremos o prazer de implementar.

Abraço e até mais 😉

Review do leitor
Data
Opinião
Belo texto. Muito esclarecedor.
Nota
51star1star1star1star1star
6 comentários em “Como criar estampas – O Guia Definitivo do Design de Superfícies
  1. Boa tarde, como consigo encontrar pessoas que possam “criar” estampas que eu quero e passar para o tecido?

    Estou pretendendo abrir uma marca de roupa e gostaria de estampas únicas.

  2. Achei o texto muito bom e de fácil assimilação, estou muito empolgada… Tem muito a ver com o que ouvi na explanação do Sebrae na feira do empreendedor
    Eu realmente preciso me reciclar, pois tenho o hábito de ir direto para o computador, entrar no Google e começar a buscar imagens …
    Muito bom perceber o quanto eu posso melhorar o desenvolvimento do meu trabalho

  3. Creio que possuo boas ideia para estampas, mais nao tenho equipamentos, existe alguma empresa que se disponha a fazer poucas quantidades

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *